Área do Cliente

Insira seu usuário e senha para acesso ao escritório virtual

Notícias

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - São Paulo, SP

Máx
26ºC
Min
16ºC
Parcialmente Nublado

Segunda-feira - São Paulo, SP

Máx
25ºC
Min
18ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Nova Lima, MG

Máx
27ºC
Min
15ºC
Parcialmente Nublado

Segunda-feira - Nova Lima, MG

Máx
29ºC
Min
16ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Belo Horizonte, MG

Máx
25ºC
Min
14ºC
Parcialmente Nublado

Segunda-feira - Belo Horizonte...

Máx
28ºC
Min
15ºC
Parcialmente Nublado

26/06/2020 - 17h33Soldador é indenizado por município 100 km distante de sua casaEle teve o nome protestado indevidamente pela prefeitura de São Lourenço por dívida de ISS

  Prefeitura Municipal de São Lourenço, de acordo com sentença, terá que indenizar soldador A juíza da 1ª Vara Cível da Comarca de São Lourenço, Cecilia Natsuko Miahira Goya, condenou o Município a pagar indenização de R$ 10 mil a um morador de outra cidade,  por danos morais. A Prefeitura de São Lourenço cobrou, em cartório de protestos, dívida de Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) pela atuação de um vendedor ambulante. No entanto, o nome e os dados do protestado eram de um soldador residente em Três Corações. O homem comprovou na Justiça que residia a 100 km do município e trabalhava, com carteira assinada, no mesmo período em que a prefeitura alegou que ele mantinha atividades de vendedor ambulante. O profissional de 38 anos só descobriu as restrições no cartório após tentar financiar um imóvel pela Caixa Econômica Federal e ter o pedido negado. Ele procurou a prefeitura e foi informado da existência da dívida de impostos e taxas de ISS no valor de R$ 1,7 mil por desempenho comercial entre os anos de 2004 e 2010. O soldador informou que morava em outra cidade, onde estava empregado, e nunca havia prestado serviços em São Lourenço. Ele argumentou ainda que não existia possibilidade de estar em dois lugares ao mesmo tempo. Citado na Justiça, o Município de São Lourenço não contestou o pedido e foi julgado à revelia. Para a juíza Cecilia Natsuko, o soldador comprovou suas alegações e não havia “como considerar o efetivo exercício da atividade de vendedor ambulante no Município a ensejar a cobrança do ISS”. A decisão está sujeita a recurso por ser de Primeira Instância. Confira o andamento do processo 5003294-06.2019.8.13.0637 no sistema PJe.  
26/06/2020 (00:00)
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.